Suas melhores lembranças para sempre na parede

Sabe aquele momento pra lá de especial? Uma lembrança de infância, um brinquedo, uma carta, um casamento, seu bebê crescendo, o nascimento de um filho…

São lembranças únicas que guardamos com carinho em nossa memória e em nosso coração. Mas, já pensou em enternizar suas mais lindas memórias colocando-as na parede?

Pois é isso que a equipe do Everaldo Molduras tem feito há 40 anos. Com carinho e respeito ao cliente, a Everaldo Molduras faz não apenas molduras exclusivas para obras de artes, ela também transforma seu momento em algo eterno, criativo, fazendo com que você possa compartilhar com familiares e amigos suas mais belas lembranças.

Veja o que esta renomada e conceituada molduraria preparou ao longo de 2014.

Uma coleção de carrinhos passada de pai para filho.

Um presente que será lembrado para sempre.

Emoldurados, os carrinhos não são apenas decorativos, mas demonstram todo amor que um pai tem por seu filho ao lhe passar uma coleção que foi conquistada ao longo de sua infância.02a6e7_cec732742ef44b1ea27604b86dcd2854

A menina agora já crescida, decidiu colocar sua boneca preferida em uma moldura. Dessa forma, sua amiga de outrora estará sempre perto dela. Linda ideia, né!?

02a6e7_82219280d87745be8fa722ab0d3abb44

E que tal incentivar o artista que você tem em casa?

Que ideia mais fofa não acham?

Ao longo do ano a mãe juntou os desenhos das aulas de artes da sua filha e…

Descobriu uma pequena artista, rs.

02a6e7_1a92371b385a4631afb07cdcc6dad565Fala sério! Fiquei apaixonada por essa moldura.

Essa mãe foi bem criativa. Para acompanhar o crescimento de sua princesa, ela emoldurou seus sapatinhos.

02a6e7_8ce9489ec3634642a1ad23494a85c165

Para finalizar, separamos os dois quadrinhos que mais fizeram sucesso em 2014.

Impossível não se emocionar ao ver eternizado a lembrança mais bela de uma mulher: o nascimento de seu filho.

Fotos, cartão de nascimento e até a pulseirinha usada na maternidade.. Perfeitos!

02a6e7_b5e5eda8984a4c46a67bed9ca1113ace 02a6e7_e796a85859ce4fb9be66b5cebf84a8b3

História das Molduras: O casamento perfeito com a obra de arte

Em termos gerais a moldura serve como uma proteção externa de determinado trabalho. Sua definição no dicionário é guarnição para painel, retrato e etc. A moldura então, funcionária como um adorno para as obras de arte. Fato é que seja como proteção, seja como adorno, o universo que envolve a moldura é muito mais abrangente e surpreendente do que ponderações em dicionários e conceitos pré-estabelecidos.

A moldura limita mundos, impede-os de se confundirem, cria uma espécie de célula ou cela, abre uma janela, cria um mundo paralelo que vai muito além de sua função tradicional de proteger a obra de arte, delimitar seu espaço arquitetônico ou lhe conferir um ornamento.

Os primeiros indícios de moldura se dão no Antigo Egito. Na ocasião, elas eram usadas para delimitar o espaço da obra, guardá-las do mundo externo.  Suas manifestações artísticas giravam em torno esfera religiosa.

02a6e7_cfe79a3c40c544cb9c3af757617e67d4

Akhenaton, Nefertiti e as princesas reais fragmento de relevo de Tell el-Amarna, c 1350 aC, (XVIII Dinastia).

Na Roma antiga a moldura adquiriu uma importância para além de simples delimitadora de espaço. A moldura passa a exercer a função de organizadora de espaço e tem o poder de definir um campo de trabalho.

02a6e7_9ab096a3ebc54fd0a7659822f9f1f1ba

Painel com uma representação de um triunfo do imperador Marco Aurélio; um gênio alado paira acima de sua cabeça.

Somente nos séculos XII e XIII as molduras começaram a ser pensadas da forma como as conhecemos. Curiosamente o processo de elaboração de uma obra era feito ao inverso. Primeiro se fazia a moldura, em peça única e muito bem acabada. Em seu interior, o espaço em que o artista preencheria com sua arte. Esta técnica dificultava a produção de obras de grandes proporções uma vez que era quase impossível encontrar tábuas com dimensões tão grandes para serem esculpidas.

Até final do século XIV e inicio do século XV, a maior parte das obras eram feitas por encomenda para a igreja. Tais trabalhos eram de grandes proporções e quase sempre eram peças fixas. Suas molduras compunham um conjunto com a arquitetura do templo onde eram instalados e eram confeccionadas pelo próprio artista.

02a6e7_8d873ebda01f43faab4bc32f6a1963b0

LUCA SIGNORELLI (1445 a 1523) – Madona e criança – Óleo sobre madeira

Com o Renascimento houve uma importante mudança no cenário das artes. Agora, nobres ricos passaram a colecionar obras em suas residências. Essa nova demanda também modificou a produção de molduras. A necessidade de armações portáteis e móveis era eminente. Os novos colecionadores necessitavam, por vezes, transportar esses trabalhos.  As molduras passaram a ser cada vez mais elaboradas, tanto no sentido funcional de proteção quanto no sentido estético.

Mas, e o moldureiro? A produção organizada de molduras começou a se efetivar no século XVI. As molduras não eram mais feitas pelo artista. Havia um moldureiro. Um profissional exclusivamente treinado para isso e que passou a ter grande importância nos processos finais de qualquer decoração. No século seguinte, o requinte só aumentava, madeira e gesso eram usados na confecção de molduras. Novos perfis eram criados e a introdução de arabescos dos mais diversos possíveis levou a concepção barroca de molduras que conhecemos. Durante o século XVIII as produções cheias de excesso continuaram e aumentaram, uma decoração opulenta era tudo que um nobre poderia querer o estilo Rococó da aristocracia francesa ganhou destaque.

Aos poucos os excessos e exageros foram perdendo espaço, perfis de molduras mais leves, finos e com influências orientais abriram caminho. Estamos no século XIX, cuja característica principal passou a ser o puro uso da madeira. Os impressionistas do final daquele século colocaram a moldura como uma continuação da pintura.

O século XX presenciou uma infinidade de trabalhos a serem emoldurados. Não apenas pinturas, gravuras, desenhos e fotografias. Novos perfis e novos modelos de molduras foram criados. A forma de montá-los e os materiais utilizados também se modificaram. A moldura passou a ser novamente feita pelo artista. A liberdade irrestrita do final do século XX permitia. Até a exclusão completa das molduras chegou como uma nova onda de produzir trabalhos somente em painéis cujas laterais também recebiam pintura.

02a6e7_43433bf66d0c4a9d9fdd8b53be970cab

Oficina de moldura em 1900. Anônimo.

E a arte contemporânea? O que se utiliza atualmente? Vivemos em um tempo em que excessos e perfis lisos convivem em harmonia. O antigo e o atual se confundem. As inovações são bem-vindas e vistas com bons olhos.

Com perfil liso ou cheio de arabescos, a moldura atravessa os tempos metamorfoseando-se num diálogo incessante entre o artista e seu trabalho.  Muito além da função de proteger a obra de arte ou delimitar um espaço. Talvez porque a palavra mais importante para a arte contemporânea seja “possibilidades”.

Atualmente a arte de emoldurar quadros é destaque no mercado das artes. No entanto, são poucos os moldureiros profissionais que encontramos e podemos confiar. Há quase meio século no mercado de arte, a molduraria mais conceituada do Rio de Janeiro, tem emoldurado obras de museus e importantes colecionadores do país e do exetrior. Para Everaldo Vieira, fundador da Everaldo Molduras é preciso conversar com a obra, pois cada uma tem sua peculiaridade, seu espaço e seu mundo. A moldura então, abre a janela para este mundo paralelo, o mundo do artista. Ainda de acordo com ele, cada quadro tem sua moldura especifica, aquela que combina perfeitamente com a obra. Ao ser perguntado sobre o papel da moldura na decoração, ele afirma que a moldura não tem que combinar com tapete, sofás e outros móveis. A moldura presisa casar perfeitamente com a obra. É preciso ter um olhar clinico e experiente para entender o que a obra pede. Dessa forma o casamento perfeito ocorrerá.

02a6e7_7c855c2a0e224e39b87d24e0b5c58322

Everaldo Vieira em 1964 ainda como aprendiz de moldureiro.

 

02a6e7_50c8ebd54c50448790d3d2f009bf425c

Loja Everaldo Molduras situada no Cassino Atlântico, em Copacabana.

A palavra é REUTILIZAR

Você acabou de fazer novas molduras para seus quadros.

Uma dúvida paira no ar: o que fazer com as molduras já envelhecidas e gastas pela ação do tempo? Descartar? Definitivamente, não! Vamos reutilizar.

Com um pouquinho de criatividade você vai transformar suas velhas molduras em objetos incríveis de decoração. E o melhor, sem gastar nadinha!

Sabe aquelas rolhas de cortiça, essas de garrafa de vinho que você guarda? Com um pouco de cola quente você cola uma a uma no fundo de sua moldura e voialà! Agora você tem um exclusivo quadro de recados.

02a6e7_3393d8e856b6453fa7aeb1c02b13d4fb

Outra opção de quadro de avisos é você colocar no fundo da moldura uma tela de arame.

Utilize pregadores para fixar seus recados.

02a6e7_806cac302bfb4bbfbff0c0e91c28699f

Olha essa ideia que legal! Fixe um ganchinho no fundo da moldura e pronto! Agora você tem pendurador de lenços.

02a6e7_e50713b9c35a4508af39587c50b3e15b

As próximas duas dicas já são velhas conhecidas nossas.

Sua moldura pode se transformarem uma bandeja fofa e diverta.

02a6e7_bc739a4c35ef450782899b9e3004750c

Pegue sua moldura, retire o fundo e prenda barbantes em ambos os lados.

Utilize pregadores ou mini pregadores e prenda suas fotos favoritas. Lindo não acha?

Gostou das dicas?

Queremos te ouvir e postar aqui suas ideias.